Como parar de desperdiçar seu tempo? A ideia por trás do trabalho.

Todo mundo fica chateado com desperdício, não é mesmo?

Desperdício de comida sendo jogada fora, de água vazando por bueiros, de energia elétrica, enfim.

Dá vontade de tomar uma atitude né. De desligar a luz, de fechar a torneira, de ensinar a pessoa que não se joga comida no lixo…

A gente construiu, em empresas, diversos sistemas para evitar o desperdício. A manufatura enxuta, just in time, 5s, etc.

Mas vem cá. E quando o desperdício é intelectual?

A noção do trabalho como uma transação

Tudo que é uma transação é mecânico e automático.

Insira seu cartão, digite a sua senha, e receba o produto em troca.

Pague o boleto, espere 24h, e receba seu serviço em troca.

Pague o salário, e receba o tempo e esforço do seu funcionário.

Sabemos que pode ser melhor que isso, não é mesmo?

Sabemos que quando o trabalho tem propósito, trabalhamos melhor.

E para o trabalho ter propósito, o líder/chefe/gerente é essencial na construção desse propósito!

Claro que se seu chefe não acha o trabalho importante, você também não vai achar.

Uma pessoa pode enquadrar, enxergar, perceber o trabalho dela como cheio de propósito, e esse é o grande segredo para a produtividade.

Mas se ela não conseguir enxergar o propósito do trabalho, depende do chefe comunicar.

O trabalho é mais que uma transação, cara. O trabalho é só uma ideia até que alguém vá lá e faça.

Como assim?

Sempre existe uma ideia, um imaginário antes do seu trabalho. E essa ideia e imaginário são mais importantes que o trabalho em si mesmo.

E os clientes querem que alguém coloque essa ideia, esse imaginário pra funcionar.

E para colocar uma ideia para funcionar, que seja maior que o trabalho em si, existem três partes.

Primeira: Nem sempre o cliente tem razão

O cliente sempre tem razão, certo?

Não. O cliente às vezes tem a razão.

Mas faz parte do seu trabalho fazer o cliente pensar que ele tem razão. Afinal, quem vai comprar a ideia é ele, não é mesmo?

Quem disse para Jobs que as pessoas queriam um iPhone?

Quem disse para o Google que as empresas queriam anunciar seus sites na internet?

Ninguém. Nenhum cliente nunca pensou nisso.

O trabalho deles é uma ideia posta em ação.

E quem coloca essa ideia em ação são as pessoas. Elas que fazem tudo isso possível.

O google não é um algoritmo, é um aglomerado de programadores e nerds que entenderam a ideia por trás do trabalho. 

A Apple não é uma fábrica, é um aglomerado de designers e nerds que entenderam a ideia por trás do trabalho.

Segunda Parte: Esforço

Para colocar uma ideia em ação, esforço é parte integral do processo, bicho.

Cada pessoa dentro de uma empresa tem uma função. Se você tirar essa função, dá cagada.

E para colocar uma ideia em ação, o esforço é monstruoso. As pessoas tem que ser muito boas no que fazem.

E para alguém ser muito bom no que faz, esforço é a palavra chave. Treino, prática, estudo, cansaço, etc. É um ciclo vicioso entre esforço e habilidade.

Esforço não é uma empreitada de curto prazo. Custa muito aprender algo novo. É resultado de anos de prática, não de uma tarde de estudo.

Mas no final, essencialmente o seu resultado sempre vai ser proporcional ao esforço que você colocou na tarefa.

Terceira parte: Crescimento

Tudo o que você sabe fazer é testado por aquilo que você não sabe fazer.

Como assim?

Esse espaço, esse “gap” entre as coisas que você sabe fazer e as coisas que você não sabe fazer é onde você decide se vai usar ou desperdiçar o seu potencial.

É onde você olha e fala: cara, eu preciso aprender. Eu preciso ir além. Eu preciso dar o próximo passo para conseguir colocar a ideia em prática.

E é aqui que as pessoas geralmente desistem.

É aqui que as pessoas geralmente olham para esse “gap” entre o que eu já fiz e o que eu posso fazer e desperdiçam todo o potencial.

Porque é muito mais fácil se ater àquilo que você já sabe. Sua zona de conforto. Seu porto seguro. 

Essa é a grande diferença entre as pessoas que encaram seu trabalho como uma ideia, e aquelas que encaram seu trabalho como uma transação.

Essa é a grande diferença entre as pessoas que crescem, e aquelas que ficam estagnadas.

Assim como no Jiu Jitsu e demais artes marciais, a luta não é contra os outros, cara. A luta é contra você mesmo.

Em tempos de instagram, linkedin, e facebook, pessoas ficam constantemente se comparando com outros.

Mas elas não percebem que a luta diária delas, não é contra os outros. É contra elas mesmas.

Esse é o vazamento de água, a luz acesa 24h por dia, a comida sendo jogada fora. Esse é o desperdício que mais dói e incomoda.

Lá em cima você concordou que dá vontade de tomar uma atitude contra qualquer tipo de desperdício.

E aí, o que você vai fazer?

Eu tenho uma sugestão.

Eu escrevo umas duas vezes por semana alguns emails direcionado pra um pessoal que quer parar de desperdiçar as coisas.

Você sabe, eu sempre falo de produtividade, organizações, e gestão.

Eu escrevo coisas para você entender a sua importância no mundo, e o que você pode fazer para mudar esse mundo.

Vamos dar o primeiro passo?

Clique Aqui

REFERÊNCIAS

Gerber, M. E. (2002). The E-myth revisited: Why most business don’t work and what to do about it

Dweck, C. S. (2008). Mindset: The new psychology of success. Random House Digital, Inc.

Duckworth, A. (2016). Grit: The power of passion and perseverance (Vol. 124). New York, NY: Scribner.

Photo by Mikito Tateisi on Unsplash

2 comentários em “Como parar de desperdiçar seu tempo? A ideia por trás do trabalho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s